Seu Portal de Ideia e Soluções
      ARTIGOS
ARTIGOS / Sustentabilidade
VOLTAR

Dicas de Sustentabilidade para Mobiliário

Que tal usar um móvel antigo na decoração nova? Ou que tal saber comprar um novo que sempre será usado? Confira!

Por: Scheila M. Della Justina       24 de Agosto de 2013   |   VISUALIZAÇÕES 6.022

Móveis com uso hoje e sempre

Muitos elementos do mobiliário antigo podem ser usados em uma nova decoração. Peças já existentes, inclusive com design diferenciado, podem ser facilmente inseridas no ambiente, valorizando a história da família ou mesmo criando um detalhe curioso no espaço. Trabalhar com estilos diferentes (contrastando o antigo com o novo) é uma opção muito usada atualmente, não apenas por ser sustentável, mas por economia e para valorizar peças que relembram momentos importantes.

Neste artigo abornamos a sustentabilidade aplicada à escolha dos móveis, informando dicas para um melhor reaproveitamento do móvel já existente, ou detalhes importantes para quem quer comprar móveis novos que serão sempre peças especiais na decoração hoje e no futuro.

 

Quarto com decoração provençal ganhou armário com estilo francês, adquirido em antiquário e reformado pelo antiquário Luiz Otávio Debeus, da loja Stilo d.o.c. | Ambiente decorado por Neza Cesar: a penteadeira recebeu laca escura e foi transformada em escrivaninha. Banco e cadeira ganharam novo tecido, animado e colorido. Imagens: Casa e Jardim

 

O que é importante considerar?

Tenho um móvel antigo: é necessário consertar ou posso utilizá-lo como está? Se a resposta for sim, ele precisa de uma reforma, podemos pensar em adicionar novos elementos estéticos, como um novo acabamento (lixar, envernizar, laquear, ...), trocar o estofamento, fazer uma nova pintura, instalar novos puxadores. Também é possível adicionar acessórios em um móvel antigo, criando assim novas funções para o mesmo.

 

Sofá chesterfield recuperado. Imagem: Planeta Sustentável

 

Antes de partir para a compra de móveis novos, uma boa ideia é procurar estas peças em brechós especializados: além de serem mais baratos, podem receber pequenas reformas e ganhar status de peças exclusivas, personalizadas.

Mas caso prefira ou precise de móveis novos, confira abaixo algumas dicas que o ajudarão a fazer uma melhor escolha:

  1. Busque fornecedores e empresas (lojas e fabricantes de móveis) que tenho o selo “FSC” (Forest Stewardship Council), selo este que identifica a forma de manejo florestal e de cadeia custodia. O certificado visa atividades de manejo florestal, rastreando assim a colheita da árvore até a comercialização do produto acabado, pronto para o consumidor final. Desta forma é possível saber de qual floresta o produto está sendo explorado, confirmando se a extração das árvores está de acordo com todas as leis vigentes, garantindo assim a conservação da diversidade ecológica, dos recursos hídricos e do ecossistema. Além disso, determina que seja mantido ou ampliado o bem estar econômico e social, em longo prazo, dos trabalhadores florestais e das comunidades locais. E também estabelece e assegura um desenvolvimento com viabilidade econômica, ambiental e social. Este endereço eletrônico, do site FSC, permite pesquisar empresas que atendem aos seus padrões (observação: há um item para download que facilita o entendimento da busca, que é em inglês): http://br.fsc.org/quero-comprar-produtos-fsc.216.htm;
  2. Móveis com o certificado ISO 14001: este certificado demonstra que a empresa fabricante dos produtos controla a origem, forma de extração, processos produtivos das matérias-primas e a destinação final dos resíduos industriais, passando por todas as etapas de fabricação, logística e manuseio de materiais. Desta maneira busca-se provar que os processos e produtos utilizados são ecologicamente corretos;
  3. Móveis de fibras naturais: uma alternativa é a escolha de móveis de fibras naturais, de origem animal ou vegetal, como junco, imbé, apuí, tucum, tupaí, bambu, vime e rattan. Características destas fibras naturais: crescimento rápido (podem ser consumidas a partir do quarto ano), são mais leves, são menos sujeitas à infestação de pragas, possuem grande durabilidade epodem ser reformadas e restauradas com facilidade e baixo custo;
 

Varanda projetada pela Designer de Interiores Adriana Scartaris: móveis de fibras naturais. Mais fotos: Varanda de Apartamento | Scartaris

 

  1. Móveis estofados: escolha do tecido: ao escolher sofás, poltronas, puffs, etc. opte preferencialmente por aqueles que usam tecidos reutilizados (como a lona), orgânicos, naturais (linho, algodão, seda, lã e juta). No caso da utilização de tecidos orgânicos é sempre importante verificar na Associação de Comércio de Orgânicos ou órgão regulador, informações a respeito da produção, do tingimento e do manuseio das fibras;
  2. Escolha de móveis com metais: as melhores escolhas são o aço inox e o alumínio. Estes dois produtos são totalmente recicláveis, possuem resíduos menos tóxicos, são mais duráveis do que os produtos similares (o aço inox é utilizado normalmente por vinte ou trinta anos antes de ser reciclado) e geram menos resíduos que os demais;
  3. Escolha de acabamentos gerais: na escolha dos complementos dos móveis, como puxadores, ferragens e acessórios em geral, vale a dica da utilização das empresas com ISO, certificados de qualidade, produtos certificados pelo Inmetro e também empresas que não utilizam substâncias tóxicas em sua produção;

 

Outro detalhe muito importante, além dos citados acima, é a busca por fornecedores locais: o custo de transporte é reduzido (inclusive a produção de CO2) e o desenvolvimento local é estimulado, favorecendo a comunidade.

 

Fontes Consultadas e das Imagens

 

 

+ SAIBA MAIS | Dicas de Sustentabilidade para seu Projeto

 

 

decoração de casacasa e decoraçãodecoraçãoecodesignprojeto sustentáveldecoração sustentáveldecoração de interiorescasa sustentáveldicas de decoraçãoTAGS:
  RELACIONADOS
Materiais Sustentáveis para a sua Obra
Dicas de Sustentabilidade para sua Casa
Dicas de Sustentabilidade para Mobiliário
Cisternas

0 COMENTÁRIOS
clique para visualizar
2010 - 2018 - CLIQUE ARQUITETURA - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS