Seu Portal de Ideia e Soluções
      ARTIGOS
ARTIGOS / Urbanismo
VOLTAR

Parklets (Vagas Vivas)

Que tal ter acesso a um espaço de convivência na rua? Você pode pedir um em sua cidade!

Por: Arquiteta Nadine Voitille       05 de Novembro de 2014   |   VISUALIZAÇÕES 6.179

Parklets, Áreas Verdes ou Vaga-viva

As cidades devem ser voltadas para a satisfação da população, de maneira a melhorar a convivência, buscando uma melhor interação social. Além de praças e parques, devem oferecer outros espaços públicos para o bem estar diário das pessoas. Pensando nisso, foram desenvolvidos os Parklets ou Áreas Verdes.

 

Zona verde em São Paulo. Imagem: Urbanismo Diário

 

O que é Parklet?

Podemos dizer que parklet é um espaço público que deverá ser planejado de forma que possa ser removido rapidamente por qualquer razão. Por isso, na maioria das vezes ele é chamado de temporário. Ele se resume em um pequeno parque urbano, destinado à comunidade, para que a mesma aumente a sua socialização, melhorando o convívio diário. Esta área aproveita o espaço antes destinado ao estacionamento de dois automóveis, transformando-o em uma pequena praça com bancos, mesas, jardim, brinquedos para crianças, bicicletário, guarda-sóis, sinal de wi-fi, biblioteca e até aparelhos de exercícios físicos.

 

Qual o seu objetivo?

Ele visa o bem estar das pessoas dentro do espaço urbano, melhorando sua mobilidade, proporcionando locais agradáveis para descanso, lazer e recreação, e contribuindo, também, com uma arquitetura contemporânea mais humana. 

Esses pequenos parques também beneficiam os comerciantes locais, os moradores do entorno e os clientes que passam pelo local de uma forma acolhedora.

 

Como e onde fazê-lo

A sua instalação poderá partir da Administração Pública, de pessoas físicas ou jurídicas, que se responsabilizem financeiramente com a instalação, manutenção e remoção do parklet.

Para a instalação de um parklet, deverá ser pedida uma autorização prévia às Prefeituras Municipais. Sendo extensões temporárias das calçadas, eles só poderão ser feitos em ruas com limite de velocidade de 50 km/h.

Como eles podem ser temporários, deverão ser construídos com materiais semipermanentes, (o que torna a madeira o material ideal, deixando tudo mais aconchegante) não poderá interferir na reconfiguração da via ou ser construído usando concreto. Uma placa deverá ser colocada no parklet avisando a população, quem está patrocinando e que o espaço é público.

O formato poderá ser o mais variado: poderá ter a forma retangular, quadrado, triangular, linear e até irregular desde que atenda as recomendações acima. Sua utilização poderá ser por algumas horas, alguns dias, alguns meses ou até para o ano todo.

Eles poderão ser idealizados também em áreas residenciais, aumentando o espaço de convivência moradores.

 

Vantagens

 

Exemplos Mundiais

Eles começaram a ser usados pela primeira vez na cidade de São Francisco, nos EUA que é uma cidade que está na frente em termos de sustentabilidade urbana. Depois disso eles se espalharam em diversas cidades norte-americanas como Phoenis, Philadelphia, Oakland, San Jose, Seattle e outras mais.

A cidade de Nova York vem utilizando espaços residuais em parklet, desde 2008. Um exemplo mais famoso é a High line.

 

Parklet na Valencia Street, em São Francisco (EUA) Foto: Mark Hogan/Wikimedia Commons Fonte: A vida como a vida quer

 

Exemplos no Brasil

Aqui no Brasil, São Paulo foi a primeira metrópole a regulamentar a implantação dos parklets em 2012 quando a boa acolhida por parte da população fez com que a Prefeitura Municipal de São Paulo transformasse a ideia em política pública de ocupação dos espaços públicos da cidade favorecendo as pessoas em área antes destinadas aos automóveis.

Na Capital paulista a Rua Padre João Manoel, na Bela Vista, possui um parklets, o qual recentemente ganhou novos assentos, floreiras e paraciclos.

Nos bairros de Higienópolis e Itaim Bibi também foram montadas as primeiras minipraças. Um novo parklet foi montado na rua Coronel Oscar Porto, próximo à movimentada Abílio Soares.

 

Parklet da Rua Coronel Oscar Porto. Foto: Gustavo Epifanio. Fonte: Folha de São Paulo

 

Uma visão de outro ângulo deste parklet no bairro Paraíso, em São Paulo. Imagem: Instituto Mobilidade Verde

 

A ONG Mobilidade Verde foi quem desenvolveu e ajudou na regulamentação dos primeiros projetos de parklets de São Paulo.

 

Este parklet foi projetado em Fortaleza, em frente ao espigão da Av. Rui Barbosa, através de uma parceria entre a Prefeitura e o escritório Creatore Ateliê de Arquitetura. Ele foi implantado dia 12 de junho de 2014 e apesar de chamar a atenção, é pouco usado (segundo informações de trabalhadores locais - em entrevista para a Tribuna do Ceará). Isso nos faz lembrar que sua instalação deve considerar o fluxo das pessoas e a dinâmica da cidade. Imagem: Tribuna do Ceará

 

 Fontes Consultadas e das Imagens

 

 

+ SAIBA MAIS | Urbanismo

 

 

urbanismoTAGS:
  RELACIONADOS
Parklets (Vagas Vivas)
O Estatuto da Cidade
A Arquitetura e a criminalidade

0 COMENTÁRIOS
clique para visualizar
2010 - 2018 - CLIQUE ARQUITETURA - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS