Seu Portal de Ideia e Soluções
      ARTIGOS
ARTIGOS / Jardins Externos
VOLTAR

Como planejar um Jardim Japonês

Quer um jardim repleto de simbologias? Este é o jardim japonês.

Por: Arquiteta Nadine Voitille       28 de Agosto de 2019 - ATUALIZADO EM: 15 de Setembro de 2019   |   VISUALIZAÇÕES 677

Entender um jardim japonês não é uma tarefa das mais simples. Impregnado de simbologias, misticismo e poder espiritual, ele provoca uma forte reflexão sobre qual é o verdadeiro significado da vida.
 
Para quem deseja ter um desses em casa, basta ter um planejamento detalhado e bastante criatividade e força de vontade para começar. Iremos ensinar exatamente como planejar um jardim japonês.
 

O que é um jardim japonês?

Esse tipo de jardim traz bem mais do que apenas beleza para seu quintal, ele trabalha com o motivo de trazer paz e tranquilidade para o ambiente. E vem de uma longa e antiga tradição japonesa, em relação ao paisagismo e cuidado com jardins e o que eles transmitem.
Antigamente, eram utilizados para provocar a reflexão e observar a natureza e suas transformações. Hoje, podem ser utilizados da mesma forma, mas também servem como um lugar de desestresse. Cada coisa colocada é pensada para criar um clima harmonioso.
 
Imagem: JamesDeMers - Pixabay
 

Como planejar um jardim japonês

Para quem quer ter um desses em casa ou até no trabalho, é preciso recorrer a um planejamento bem minucioso. Escolha um local arejado e com espaço suficiente para deixa-lo da melhor forma possível. Meça e até mesmo desenhe como é esse espaço, para você ter uma noção de como posicionar cada item. Não é necessário que o espaço seja enorme.
 
Após isso, é hora de realmente entrar dentro dos preparativos. A visualização é o jeito mais eficiente de harmonizar tudo. Uma das regras primárias que deve ser levada em consideração na hora de planejar um jardim japonês, é que nenhum dos itens deve ter mais destaque que o outro. Todos devem completar ao outro. 
Mais do que isso, utilizar do simbolismo é extremamente importante. Eles acreditam dentro de sua filosofia, que os significados de cada coisa são mais importantes que as cores e o restante das características físicas.
 
Imagem: Charles - Unsplash
 
Apesar de não ser obrigatório, o mais interessante é que todo o local ou uma parte dele seja composto por gramado (saiba mais: Tipos de Grama. Caso não queira gramado, pode optar por usar brita amarela ou branca. A vegetação, especialmente os arbustos e os verdes, trazem como significado a eternidade, e costuma afastar mau espíritos. Se você não conseguir planejar tudo sozinho, pode sempre recorrer a uma paisagista, que irá te ajudar de forma eficiente na criação de um espaço de meditação.
 
Imagem: FranckinJapan - Pixabay
 
Quanto maior o terreno para seu jardim, mais cores e elementos você pode utilizar. Não adianta colocar muita coisa em um espaço pequeno, que o sentimento de leveza e calmaria não ficará presente, e sim de caos e bagunça. Tome cuidado para não exagerar na hora de decorar, seja com móveis ou com as próprias plantas.
 

Ideias para seu jardim japonês

De primeira podem até parecer limitadas as formas de decorar seu jardim japonês, mas na realidade, as opções são muitas. Isso porque o que prevalece é a assimetria, remetendo sempre à natureza.
São muitos os elementos levados em conta na simbologia dos japoneses. Você pode utilizar uma rocha ou até pedras de tamanho maior para representar as montanhas. Para harmoniza-las, você pode coloca-las como caminho pelo jardim. Essas mesmas pedras representam as tradições culturais e religiosas que devem prevalecer.
 
Imagem: Pixabay
 
Imagem: Pixabay
 
Quando essas rochas/pedras estão com musgo, costumam ter uma valorização ainda maior. Escolha pedras mais bonitas e redondas. Ao utilizar os seixos, é importante que sejam em número ímpar, pois é tradição japonesa e traz azar em números pares.
 
Imagem: fietzfotos - Pixabay
 
A areia e os cascalhos são remetidos ao mar, ou água de forma geral. Mas também pode-se utilizar as próprias fontes. Algumas pessoas fazem pequenos lagos no qual a fonte desagua. A água através dessa representação é como se fosse uma forma de purificação e de encontrar o sentido da vida. Até mesmo a direção em que o fluxo da água segue é importante na hora de planejar um jardim japonês. Quando de leste para oeste, é como se fosse levar o mal embora. Já quando o fluxo vai de norte para sul, atrai a sorte. 
 
Imagem: Pixabay
 
A vegetação também é importante, e representa as florestas e traz o significado de eternidade assim como a água. Escolher plantas mais ornamentadas, porém que se adaptem ao clima da região em que você mora é essencial. Alguns exemplos são: bambu, eugênia, gardênias, a cerejeira e outras. O bambu é um dos mais importantes, trazendo aconchego, além de significar “a vida em sua essência”.
 
Imagem: EliasSch - Pixabay
 
Outra coisa muito comum são os templos. Não é necessário nada extravagante, uma pequena torre de pedra ou algo semelhante já é o suficiente. As pontes, que também podem variar de tamanho em cada tipo de quintal, representam portais, passagens do tempo entre outros.
 
Para representar a luz do conhecimento, a utilização de lanternas é muito interessante. Especialmente o Toro, que é esculpida em pedra, mas pode ter os mais diversos formatos. Na hora de escolher os móveis, não tente exagerar. Bancos de pedras e algumas estátuas são mais do que suficientes. Como falamos, todo o lugar deve harmonizar entre si.
 
Imagem: Couleur - Pixabay
 
Imagem: Pixabay
 
Há muito mais elementos que podem ser incorporados dentro da decoração do lugar, basta você tirar um tempo para entender mais sobre a cultura e religião japonesa. Dessa forma, fica mais fácil você colocar aquilo que você realmente deseja para sua vida dentro de seu jardim.
 
E você, já começou a planejar seu jardim japonês?
 

Fontes consultadas

 
 
+ SAIBA MAIS | Jardins Externos
paisagismodicas de paisagismodecoração de jardimjardim externoTAGS:
  RELACIONADOS
Como planejar um Jardim Japonês
Gazebos
Cerca Viva: saiba como escolher
Como cuidar do Gramado

0 COMENTÁRIOS
clique para visualizar
2010 - 2018 - CLIQUE ARQUITETURA - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS