Seu Portal de Ideia e Soluções
      ARTIGOS
ARTIGOS / Cozinha
VOLTAR

Cozinha: Aspectos Construtivos

2º Passo para projetar uma cozinha:: planeje a planta, a iluminação, pontos elétricos, ... da sua cozinha.

Por: Arquiteta Nadine Voitille       17 de Janeiro de 2012 - ATUALIZADO EM: 16 de Setembro de 2021   |   VISUALIZAÇÕES 352.782

Este conteúdo também está no Youtube

 

Se gostou deste vídeo, deixe seu Like e siga o Clique Arquitetura no Youtube. Isso apoia o nosso trabalho ;)

 

Se você leu o artigo A Cozinha: Perguntas Importantes (1º passo para planejar uma cozinha) então já sabe: a cozinha é, muitas vezes, um local mais social do que a própria sala (se não leu, recomendo a leitura: este artigo nos faz pensar nos vários pontos que devemos considerar para seu planejamento).

A cozinha possui uma importância enorme dentro de uma casa e de uma família e por isso deve ser bem planejada.

E o que significa ser bem planejada? A cozinha deve ser funcional e bonita, sua iluminação deve ser adequada, assim como a ventilação, proporcionando conforto e qualidade de vida.

 

Por isso, o 2º passo para planejar uma cozinha é pensar nos seus aspectos construtivos:

 

Posição na Planta

Ao construir o ideal é setorizar os ambientes, dividindo-os em social, serviço e privado. A cozinha normalmente encaixa-se como serviço, mas considerando seu uso integrado à sala de jantar, torna-se também social, exigindo organização e estética adequada para este propósito: receber visitas.

Normalmente ela tem ligação com a lavanderia, já que muitos dos produtos utilizados em uma, são também usados na outra (produtos de limpeza, vassouras, rodos, ...).

 

A cozinha deve estar próxima da sala de jantar (facilitando a circulação), ter acesso fácil a partir do ponto de chegada das compras (próxima da garagem) e torna-se agradável se tiver ligação (mesmo que apenas visual) com o jardim, inspirando bons pensamentos, acalmando a mente e trazendo mais luz natural para dentro de casa (princípios da biofilia).

 

Caso a cozinha seja fechada, o ideal é que os quartos tenham acesso a esta por circulação separada da sala para que não seja necessário passar pela área social ao se dirigir a ela.

Não faça degraus entre a cozinha e a sala de jantar, pois poderá causar acidentes (ao carregar panelas e pratos de um ambiente para o outro).
 

Planejando uma Cozinha através de um Organograma

O ideal, para planejar uma cozinha, que será construída, é fazer um organograma, ou seja, um estudo esquemático dos ambientes e suas circulações.

Veja abaixo um exemplo: o espaço da casa foi dividido em 3 setores (social, serviço e privativo). Pela garagem temos acesso às salas e à cozinha. Da cozinha podemos acessar a lavanderia. As salas dão acesso ao lavabo e a uma circulação que leva para os quartos e banheiros. É importante avisar que o tamanho destes "boxes" não está relacionado com os tamanhos dos ambientes (eles apenas representam a distribuição dos cômodos e como cada um se relaciona).

Desta maneira, fica mais fácil pensar o projeto ... e é assim que um arquiteto pensa :)

 

Distribuição esquemática das áreas de uma casa. Em muitos casos a sala e a cozinha são integradas e neste caso ambas são áreas sociais. Também seria possível inserir um quadro para "jardim", integrando as salas, a cozinha e a lavanderia a ele. Fonte: Portal Clique Arquitetura.

 

E qual o tipo de planta ideal?

Dependerá do que você precisa na cozinha e da sua dinâmica de uso. Para isso, recomendo a leitura:

 

Iluminação

A cozinha deve ter iluminação externa direta: quanto mais, melhor. Valorize a iluminação natural: é econômica (sustentável), possui ótima qualidade de luz para a realização das tarefas e por ser confortável influencia positivamente o estado emocional das pessoas.

 

Iluminação Natural na Cozinha

E qual deve ser a quantidade ideal de luz natural na cozinha?

A janela deve ter área suficiente para permitir a entrada de luz e ventilação. Podemos usar, como referência, os parâmetros da NBR 15.575, Norma de Desempenho em Edificações Habitacionais. Ela estabelece que copas/cozinhas devem ter no mínimo 60lux de iluminância geral. Considere mais de 90lux para um padrão intermediário e mais de 120lux para um padrão superior.

Como medir? Usando um luxímetro (ou seja, infelizmente, é difícil estabelecer uma regra para o tamanho das janelas, pois varia muito para cada região e também em função das condições específicas de cada lote).

 

Integrar a cozinha, mesmo que seja apenas visualmente, com o jardim traz conforto e paz para os moradores. A Biofilia é um conceito que  vem ganhando força: trazer a natureza para perto promove saúde e bem-estar. Imagem: André François McKenzie - Unsplash

 

Iluminação Artificial na Cozinha

O planejamento da iluminação da cozinha deve ocorrer após o projeto de layout dos móveis: assim já sabemos o que precisamos iluminar e podemos caprichar nos detalhes.

Basicamente você precisará de iluminação geral (para iluminar o ambiente como um todo) e de iluminação direcionada para a realização de tarefas sobre a bancada. E também podemos adicionar iluminação de destaque, decorativa, para conferir charme ao espaço.

Lâmpadas Fluorescentes e de LED geram luz adequada para a realização das tarefas e também economia de energia. Lâmpadas dicróicas (halógenas) possuem alta eficiência e podem ser utilizadas para gerar destaque em determinados pontos focais e também para facilitar o trabalho sobre as bancadas, já que a qualidade da luz que emitem permite uma reprodução adequada das cores e um trabalho mais minucioso ao lidar com os alimentos. Saiba mais: Tipos de Lâmpadas

 

Iluminação geral e iluminação direcionada: após planejar os móveis fica mais fácil saber como (e o quê) iluminar. Imagem: R ARCHITECTURE on Unsplash

 

Ventilação

Vapores, odores e calor... a cozinha é um ambiente que precisa de boa ventilação. E qual deve ser a área mínima de janelas necessária? Podemos usar a NBR 15.575, Norma de Desempenho em Edificações Habitacionais, como referência. Ela estabelece que a área de ambientes de longa permanência (salas e dormitórios) deve ser de no mínimo 7% da área do piso do ambiente (para a região Norte do Brasil este valor é de 12% e para a região Nordeste do Brasil é de 8%). Note que ela especifica estes valores para quartos e salas, mas podemos usar como referência para cozinhas, principalmente quando são integradas.

 


 

Após a definição da planta e das aberturas (portas e janelas), é hora de pensar no piso e revestimentos da cozinha.

 

Planejar tudo com antecedência (construção, móveis, iluminação, revestimentos, etc) é o ideal, porque permite fazer, no papel, todos os ajustes necessários. Mas infelizmente sabemos que esta não é uma realidade comum e muitas vezes compramos um imóvel que já possui janelas e circulações definidas, assim como pontos elétricos, hidráulicos e de gás instalados.

Mesmo assim, podemos mudar muitas coisas e a viabilidade disso dependerá de uma análise profissional.

 

Piso

Ao escolher o piso opte por tipos que possuam pouca porosidade (impermeáveis), evitando assim o acúmulo de sujeiras como a gordura. Deve ser resistente à água e, caso prefira, pode optar por um modelo antiderrapante, evitando escorregões e acidentes. * Mas neste caso, escolha tipos que não dificultem a limpeza.

 

Piso preto e branco para cozinha estilo retrô. Imagem: Chastity Cortijo - Unsplash

 

Escolha materiais que permitam um rejunte menor (reduzindo a área permeável e sujeita a manchas por sujeiras). O porcelanato, por exemplo, tem peças maiores e exige um rejunte com pelo menos a metade da espessura da cerâmica que geralmente é de 5mm.

Quanto à escolha da cor procure aqueles de tonalidade clara para que transmitam a sensação de limpeza. Cuidado com os pisos mais brancos, já que sempre haverá alguma sujeira e o rejunte poderá ficar muito marcado (alguns tipos de cozinha ficam bem com pisos escuros - a escolha dependerá do conceito do projeto).

Estes são artigos que podem ajudar nesta escolha:

 

   

Piso imitando acabamento cimentício e piso imitando madeira: são várias as opções e a escolha dependerá do projeto decorativo. Imagens: Jean-Philippe | Delberghekhloe arledge - Unsplash

 

Sóculo

Para proteger os móveis eles devem ficar erguidos do chão. Isso pode ser feito deixando-os suspensos ou sobre um degrau chamado "sóculo".

Se optar por um sóculo, é bom pensar nisso no momento da definição dos revestimentos, pois o sóculo poderá ser em alvenaria com o mesmo acabamento do piso ou com o granito da mesma cor da bancada. Há também outra solução, que considero melhor: fazer este espaçamento com a própria marcenaria, revestindo posteriormente com uma faixa de granito (neste caso, os armários ficam erguidos e o sóculo é "falso", pois há um rodapé geralmente em madeira naval que recebe uma placa de granito colada sobre ele.

altura do sóculo pode variar, desde os mais altos com 18 cm aos mais baixos com 5 cm (valores apenas de referência). Já a largura varia em função dos móveis escolhidos, em geral o sóculo possui de 8 a 10 cm de largura a menos que os móveis inferiores (espaço para a ponta dos pés), ou seja, se o móvel inferior tiver 60cm de profundidade, o sóculo terá 52 ou 50cm.

 

O sóculo distancia o móvel do piso, para proteger o que é de madeira e também para que as portas não abram tão rentes ao chão. Imagem: Sidekix Media - Unsplash. Edição: Clique Arquitetura.

 

Revestimentos das Paredes

Como existem muitas opções de revestimentos para as paredes (com diferentes cores, texturas, espessuras...), aconselho que seja escolhida uma opção neutra (se não há um projeto de interiores). Mas se o objetivo é criar uma decoração única, com a sua personalidade, escolha os revestimentos depois de saber o layout dos móveis e depois de definir detalhes decorativos. Motivos para isso:

Como pode ver, existem várias escolhas e para que você não fique preso ao que não quer... planeje com antecedência e de preferência, conte com a ajuda de um arquiteto.

 

Pontos Elétricos

Planeje uma tomada para cada eletrodoméstico (com circuito independente): fogão, coifa/depurador de ar, microondas, forno elétrico, geladeira, freezer, lava-louças, torneira elétrica (se não existir rede de água quente). De acordo com o equipamento veja se esta tomada deverá ser baixa (30cm de altura), média (1,10m de altura) ou alta (2,20m de altura) e se precisa ter voltagem específica (110V/220V - o que também muda de acordo com a região do Brasil).

Faça este planejamento antes de colocar os revestimentos das paredes para evitar ter de quebrar posteriormente. Exemplo: Escolha o modelo de fogão que irá utilizar para saber onde colocar seu ponto de energia. No caso do fogão embutido é aconselhado ter o ponto de energia posicionado na lateral do fogão, como mostra a imagem abaixo:


Modelo de posicionamento do ponto elétrico de um fogão embutido. Fonte: Manual de Instruções de Fogão a Gás embutido da Electrolux

 

Analise quantos outros itens você possui em sua cozinha e com que frequência os utiliza. Assim reserve uma tomada sobre a bancada para liquidificador/cafeteira e pelo menos outra para qualquer outro equipamento que venha a utilizar.

Evite o uso do “benjamin” (“tomada T”) para ligar vários equipamentos em uma mesma tomada, pois isso pode vir a causar curto circuitos pelo excesso de carga.

Diria que é essencial ter um projeto dos móveis neste momento: assim as tomadas serão planejadas adequadamente (local da geladeira, do fogão, ...).
 

Pontos Hidráulicos

É importante ter um projeto hidráulico e segui-lo. Planejar os pontos de água/esgoto (pia, máquina de lavar louças, filtro de água...), estar atento à qualidade dos registros e torneiras, evita que futuramente o morador tenha incômodos com infiltrações.

Ter um projeto hidráulico e saber onde passa o encanamento evita problemas como o rompimento da tubulação ao se fixar um móvel, um quadro... na parede da cozinha.

 

As características do espaço e dos móveis também pré-determinam o tipo de torneira que poderemos usar. Nem sempre podemos usar de parede (porque a janela é muito baixa), às vezes não temos rede de água quente na cozinha e precisamos de uma torneira elétrica (e de uma tomada para ela). Observação: note que uma pia como esta não seria funional: não há área molhada (rebaixo para conter a água) e a manutenção diária pode ser um estresse desnecessário. Imagem: Christian Mackie - Unsplash

 

Para escolher a torneira da cozinha decida se será de bancada ou de parede (neste caso é necessário que haja espaço entre a bancada e a janela). Também pense na água quente: já existe tubulação ou será usada uma torneira elétrica? Neste caso será necessário uma tomada.

Se for instalada tubulação de água quente pode-se optar por canos de cobre (que são uma boa opção por sua durabilidade e eficiência), tubo PEX, tubos PPR, ou ainda CPVC.

 

Ao comprar um imóvel semi-acabado verifique a altura da entrada do ponto de água da torneira, a qual deve estar a uma altura de no mínimo uns 10 cm da posição da bancada, para que não haja problemas na colocação do tampo da pia.

Dica: sempre consulte o guia de instalação de equipamentos como "máquinas de lavar-louças" e "filtros de água" para saber as medidas indicadas para sua correta instalação.

 

Ponto de Gás

A posição do ponto de gás interfere diretamente na posição do fogão. Há uma distância máxima em função da mangueira de abastecimento do gás, mas no geral sua localização não poderá ser alterada muito depois de definido. Por tanto, se você pretende ter uma coifa de ilha, por exemplo, esteja atento a este detalhe: o ponto de gás deverá vir pelo piso até o local.

O posicionamento do ponto de gás deve ser de fácil acesso, para que, caso seja necessário, seja fechado ou desligado rapidamente (NBR 13932).

Se você precisa decidir o melhor fogão, indico a leitura:

 

Fogões Convencionais

O ponto de gás deve estar a no máximo a 1,25m do fogão - tamanho máximo para a mangueira plástica (caso esta distância seja maior a instalação deverá ser feita com tubos de aço ou cobre de acordo com a NBR13932 (GLP). Já para instalações que usam gás natural, deve-se obedecer as exigências da NBR13933.

Se a entrada de gás estiver disposta de forma que a mangueira cruze a parte traseira do fogão, utilize uma mangueira flexível metálica de 1/2 polegada com adaptador para conectá-la ao fogão. (Fonte: Manual Electrolux).

 

Fogões de Embutir

De acordo com o manual dos fogões de embutir da Electrolux, a altura recomendada para o ponto de gás é de 35 a 70cm de altura (em relação ao piso), 58cm do eixo do fogão para a esquerda ou 1,25m para a direita (veja as imagens abaixo). Devemos lembrar que para a instalação de fogões de embutir é obrigatória a instalação utilizando mangueiras metálicas, as quais terão de 20cm a 1,25m de comprimento.

Sempre utilize um regulador de pressão para evitar vazamentos de gás e troque este aparelho, juntamente com a magueira, a cada 5 anos.

Abaixo segue um exemplo recomendado para fogões de embutir:


Instalação recomendada para fogão de embutir da Electrolux. Fonte: Manual de Instruções de Fogão a Gás embutido da Electrolux

 

Fogões Cooktop

O espaço necessário para a instalação de um cooktop é de 15cm de altura. Abaixo indicamos duas maneiras de instalação (ponto elétrico e de gás) para um cooktop, a partir do manual da Electrolux: a primeira imagem mostra a instalação de um cooktop apenas e a segunda imagem a instalação de um cooktop com um forno embutido logo abaixo (perceba que neste caso os fios e a mangueira devem ser posicionados para o lado, não ficando atrás do local de instalação destes equipamentos):


Imagens ilustram instalação de um cooktop com ou sem forno embutido logo abaixo. Fonte: Manual Electrolux cooktopGC60G

 

 

Resumindo

Começamos o planejamento da cozinha listando o que precisamos nela e pensando em como a utilizamos. Depois precisamos definir sua posição na planta, sua iluminação (natural, porque a artificial devemos definir após ter o projeto dos móveis) e ventilação (principalmente se estamos na etapa de pré construção). 

A seguir, pensamos nos seus revestimentos, pontos elétricos, hidráulicos e de gás. E então precisamos partir para o planejamento dos móveis, começando com uma análise das circulações e ergonomia.

Perceba que projetar é um processo que caminha num sentido, mas então retorna e corrige o que precisa, vontando a caminhar... Por que digo isso? Porque ao projetar os móveis, provavelmente poderão ocorrer mudanças nos pontos elétricos, hidráulicos e de gás e na escolha dos revestimentos.

 

 

Vamos para o próximo passo:

Cozinha: Ergonomia & Circulação

 

 

+ SAIBA MAIS | Tudo sobre Cozinhas
móveis para cozinhadicas de arquiteturacozinhas integradascozinhas planejadasmedidas de cozinhaTAGS:
  RELACIONADOS
Como Escolher o Fogão Ideal
Cozinha: Aspectos Construtivos
Como Escolher o Forno de Micro-ondas?
Cozinha: Escolhendo o Mobiliário

160 COMENTÁRIOS
clique para visualizar
2010 - 2020 - CLIQUE ARQUITETURA - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS